degeneração macular de retina dmri tratamento curitiba

Tratamento da Degeneração Macular de Retina em Curitiba: DMRI tem cura?

Após os 50 anos de idade, é essencial que com frequência seja realizado um acompanhamento com oftalmologista. Além disso, também se faz necessário que as pessoas realizem exames de fundo de olho, que permitam o diagnóstico de doenças como a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI).

De acordo com o Dr. Alexandre Grandinetti, retinólogo em Curitiba especialista em DMRI, essa doença acomete na maioria das vezes, pacientes com mais de 50 anos. O especialista em DMRI, explica que essa doença afeta a mácula, que é uma região central da retina e é responsável por formar a visão. Por isso, a doença gera uma perda significativa da acuidade visual, o que compromete a qualidade de vida da pessoa.

A DMRI não tem uma causa específica, mas pessoas que são fumantes e com casos na família possuem maiores chances de desenvolverem essa doença. É fundamental que o diagnóstico precoce da DMRI, porque nos últimos anos, a medicina avançou consideravelmente que possibilitam a estabilização, até a neutralização do avanço da doença.

DMRI seca

Essa DMRI corresponde a maioria dos casos, cerca de 90%. A progressão dessa doença é lenta, e as células que estão presentes na mácula se degeneram com o passar do tempo, o que ocasiona a perda parcial ou total da visão.

Ela não tem cura, e o tratamento da degeneração macular de retina ainda não conseguiu alcançar resultados eficientes. Há, porém, vários estudos em andamento e acredita-se que logo vai surgir um tratamento eficaz.

DMRI úmida ou exsudativa

Essa DMRI está presente em só 10 % dos casos, e é forma da DMRI mais agressiva. A sua evolução é bem rápida, assim como a percepção dos sintomas. Pode acontecer de o paciente perder a sua visão total ou a visão central. Ela tem como características o crescimento anormal dos vasos no fundo do olho, a produção de líquidos e hemorragias, fatos que geram a degeneração de células que são fundamentais para a visão.

A aplicação de medicamentos, também conhecidos como antiangiogênicos, é o tratamento mais eficiente para a DMRI exsudativa. Eles impedem o crescimento de vasos anormais e têm a capacidade de estabilizar a doença. Em vários casos, as pessoas notam que há uma melhora na visão.

SEM CURA

A D não possui cura, porém os tratamentos de DMRI em Curitiba disponíveis são animadores, considerando que eles controlam a Degeneração Macular Relacionada à Idade e ajudam a ter uma visão melhor. Os resultados vão variar de caso em caso, e quanto mais o número de aplicações das injeções, maiores são as chances de recuperação.

Segundo o Dr. AleexandreGrandinetti, especialista em DMRI em Curitiba, o desenvolvimento de novos métodos e tratamento estão evoluindo constantemente. Mas, é necessário prevenir e diagnosticas precocemente do que aguardar por novos tratamentos.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *