Vitrectomia 3D em Curitiba – Dr. Alexandre Grandinetti participa de treinamento do equipamento NGENUITY 3D 3

Vitrectomia 3D em Curitiba – Dr. Alexandre Grandinetti participa de treinamento do equipamento NGENUITY 3D

 

A vitrectomia é um procedimento cirúrgico realizado em casos graves de doenças na retina e traumas oculares como o DESCOLAMENTO DA RETINA. O procedimento consiste na remoção de parte ou de todo o vítreo, um fluido gelatinoso que preenche o olho. Depois de retirar o vítreo é possível realizar reparos no fundo do olho, como recolar a retina no caso de descolamento de retina, tratar hemorragias e outras possibilidades.
Como a retina é uma região muito sensível e importante para a visão, o procedimento precisa ser muito bem planejado e executado, visando o melhor resultado possível para o paciente.

Vitrectomia 3D em Curitiba – Dr. Alexandre Grandinetti participa de treinamento do equipamento NGENUITY 3D 2
Atualmente o procedimento é muito seguro e indolor, os equipamentos utilizados são modernos e precisos.
Porém ainda assim a cirurgia é desafiadora, porque a visualização da retina se dá através do uso de microscópios poderosos.
A Alcon está lançando um equipamento inovador chamado NGENUITY 3D, que permite realizar a cirurgia de Vitrectomia com visualização 3D através de uma tela de LCD de 60 polegadas , possibilitando maior precisão do procedimento, melhor ergonomia e um menor tempo de duração.
O Dr. Alexandre Grandinetti foi um dos primeiros oftalmologista do Brasil a receber treinamento do novo equipamento, num evento fechado que aconteceu na cidade de Fort Worth (EUA).
Além da visualização em 3D o

Vitrectomia 3D - Detalhe do novo equipamento da Alcon NGENUITY
Vitrectomia 3D – Detalhe do novo equipamento da Alcon NGENUITY

3D possibilita a visualização de outros tecidos com maior precisão.

 

 

Segundo o Dr. Alexandre Grandinetti o equipamento é realmente inovador, pois pode melhorar a visualização das estruturas dentro do olho e aumentar sua precisão, esses dois itens combinados promovem melhores resultados para o paciente.

diabetes pode causar cegueira

Diabetes e a Retinopatia Diabética — Números que preocupam

Recentemente a SBRV (Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo) realizou uma pesquisa nas ruas incluindo as cinco regiões do Brasil, com o objetivo de coletar informações e informar a população sobre as doenças de retina. O objetivo desta ação foi alertar sobre os perigos relacionados com a retina e a diabetes.

Os dados coletados revelaram números preocupantes. Das 932 pessoas portadoras de diabetes entrevistadas, 62% informaram que não realizam acompanhamento com um especialista em retina e 69% afirmam desconhecer a retinopatia diabética.

O fato de 62% das pessoas não saberem que a diabetes afeta a visão é algo muito preocupante, porque segundo a OMS a retinopatia diabética (quando a diabetes atinge o olho) é a maior causa de cegueira em pessoas jovens no Mundo. O Dr. Alexandre Grandinetti explica que a doença atinge o fundo do olho (Retina), que é responsável pela visão, pois, é na retina que estão as células fotossensíveis, que captam a luz e transformam em impulsos elétricos, que o cérebro irá interpretar e formar a visão de fato. Qualquer doença que prejudique a retina é muito nociva e seus danos podem ser irreversíveis.

O Dr. Alexandre relata que a retinopatia diabética é uma doença silenciosa, ou seja, não apresenta sintomas em seus estágios inciais. Quando o paciente nota os primeiros sintomas, a doença pode estar em estágio avançado, já comprometendo a visão. Por isso é fundamental o acompanhamento com um médico oftalmologista.

O diagnóstico é feito com um exame simples chamado de MAPEAMENTO DE RETINA. O exame dura poucos minutos e é indolor. Uma vez diagnosticada a doença, podem ser necessários exames complementares para ter mais detalhes sobre o estado clinico do paciente. Neste caso, pode ser feito o exame de angiografia ocular, que irá determinar se existem hemorragias no fundo do olho, provocado pela retinopatia.

Entenda mais sobre a Retinopatia Diabética e seus tipos

A retinopatia diabética consiste no acúmulo de materiais nos vasos sanguíneos presentes no fundo do olho — podendo levar ao enfraquecimento ou entupimento dos vasos sanguíneos. Uma vez que os vasos sanguíneos estejam entupidos e enfraquecidos pode ocorrer o rompimento, causando o vazamento de fluídos na retina e outras complicações, como a perda parcial ou total da visão.

A retinopatia diabética ocorre em dois estágios: não proliferativa e proliferativa.

retinopatia diabetica tratamento em curitiba

Durante a fase não proliferativa, ocorre a vasão de fluídos na retina através dos vasos sanguíneos, gerando acúmulo de líquidos (edemas) e depósitos de gorduras e proteínas na retina (exsudatos). Os vasos sanguíneos da retina podem sangrar causando hemorragias intra-retinianas.

Se os líquidos se acumularem na região da mácula (região central da retina), ocorrerá um edema macular, causando alterações visuais graves e até mesmo a cegueira. O Edema Macular pode ocorrer tanto na fase não proliferativa quanto na fase proliferativa.

Na retinopatia diabética proliferativa ocorre a neovascularização (quando há o crescimento de vasos sanguíneos anormais). Estes vasos podem crescer em direção ao vítreo (o conteúdo gelatinoso do olho), causando o descolamento de retina, que pode levar à perda visual. Os vasos sanguíneos proliferativos também costumam se romper com facilidade, causando hemorragia vítrea, que pode causar diminuição visual. Além disso, em alguns casos, tecido fibroso cresce sobre os vasos sanguíneos anormais, causando distorções da visão.

Tratamentos para a Retinopatia Diabética não proliferativa

Se houver a presença de edemas maculares durante a fase não proliferativa da doença, é necessário que haja tratamento para evitar o desenvolvimento da doença. Também é necessário que o paciente controle rigorosamente a glicemia (nível de açúcar no sangue), colesterol e pressão arterial.

Tratamento com laser

O tratamento dos edemas maculares na fase não proliferativa podem ser feitos com aplicação de laser. O tratamento com fotocoagulação a laser visa queimar as regiões da retina com vazamento. As queimaduras diminuem a quantidade de líquido na região central da retina e reduzem a velocidade do vazamento dos líquidos. O tratamento com laser geralmente é feito com uma única sessão. O tratamento com laser estabiliza a visão e reduz as chances de perda de visão em 50%, podendo ainda melhorar a visão nos casos de pacientes que já sofreram alterações visuais.

fotocoagulação a laser da retina

Injeções intravítreas

Dr. Alexandre Grandinetti oftalmologista especialista em retina explica que as injeções visam inibir o fator de crescimento vascular endotelial (VEGF) —, substância que estimula o crescimento dos neovasos (vasos sanguíneos anormais). As injeções são realizadas no centro cirúrgico com colírio anestésico e antisséptico para evitar infecção e diminuir o desconforto. O paciente poderá ir para casa no mesmo dia, podendo voltar às atividades normalmente logo após a aplicação.

injeção intravitrea para edema macular de retina

Tratamento da Retinopatia Diabética Proliferativa

O tratamento para a retinopatia diabética proliferativa é feito com aplicação de laser em toda a região periférica da retina conhecido como PANFOTOCOAGULAÇÃO, visando selar os vasos rompidos. Este procedimento melhora a circulação sanguínea e distribuição de oxigênio para as células da retina, impedindo o desenvolvimento da doença.

Conclusão

O tratamento para a retinopatia diabética só é eficaz se o paciente fizer o controle do diabetes. O Dr. Alexandre Grandinetti explica que se o paciente não faz o controle, com o tempo a retinopatia diabética pode voltar e atingir a visão de forma permanente. Os tratamentos mencionados conseguem bloquear o avanço da retinopatia e em muitos casos conseguem melhorar a visão, por isso é fundamental visitar o oftalmologista regularmente, visando prevenir ou diagnosticar precocemente a doença.

Para maiores informações agende seu horário:

(41) 3310-4284

(41) 3310-4240

(41) 3310-4399

floretina-2017

O Dr. Alexandre Grandinetti participou do Congresso de Retina FLORETINA

O Dr. Alexandre Grandinetti participou em abril do Congresso de Retina FLORETINA, realizado em Florença, na Itália. O evento é um dos mais importantes do calendário da oftalmologia, e conta com a participação dos melhores especialistas em retina do mundo, apresentando cases e novidades. No evento deste ano cirurgias foram realizadas ao vivo.

 
Uma novidade apresentada foi NGENUITY® 3D da Alcon, um equipamento que permite a visualização da cirurgia da retina (Vitrectomia) em 3D. Com esta tecnologia, a precisão da cirurgia aumenta e o tempo do procedimento é reduzido, devido a facilidade de visualização para o cirurgião.
No evento, estiveram presentes várias personalidades da oftalmologia e médicos que ajudaram a melhorar a tecnologia, visando otimizar os resultados das cirurgias. Uma dessas pessoas é o Dr. Steve Charles, um dos pioneiros nas cirurgias de retina e a mente por trás do Constellation que é utilizado pelo Dr. Alexandre para realizar cirurgias na retina. O Dr. Charles participou do desenvolvimento do Constellation que foi uma inovação nas cirurgias de retina, pois aumentou significativamente a precisão e eficácia do procedimento. Para se ter uma ideia, o Constellation trabalha com 5.000 cortes por segundo, enquanto os equipamentos comuns trabalham com apenas 800 cortes por segundo, além de outras características importantes.

WhatsApp Image 2017-05-19 at 12.23.16
O Dr. Alexandre Grandinetti avaliou que o evento superou todas as expectativas, pois o conhecimento agregado no evento é fundamental para trazer para Curitiba o que há de mais moderno e inovador no tratamento das doenças da retina.

Dr. Alexandre Grandinetti

Dr. Alexandre apresenta poster no 42º Congresso da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo

Nos dias 6 a 8 de abril foi realizado o 42º Congresso da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo no Rio de Janeiro. O evento é um dos mais importantes do calendário da oftalmologia do Brasil e o principal com o foco na especialidade de Retina e Vítreo.

Na ocasião o Dr. Alexandre Grandinetti apresentou um poster sobre o tratamento de injeções intraoculares em jovem paciente com Membrana Neovascular Coroideia Idiopática, discorrendo detalhadamente o histórico e os resultados obtidos.

Segundo a organização do evento foram mais de 1500 participantes entre brasileiros e estrangeiros. O programa do congresso contou com palestras nacionais e internacionais que colaboraram com a troca de experiência e atualização das principais novidades que acontecem no Mundo na especialidade de Retina e Vítreo.

cirurgia de catarata dor

A cirurgia de catarata é indolor?

Quando falamos de uma cirurgia no olho as pessoas demonstram certa preocupação. Isso porque o olho aparentemente é um órgão muito sensível e mesmo um pequeno cisco pode ocasionar um certo desconforto.

O que muitos não sabem é que a cirurgia de catarata é indolor. Devido aos modernos equipamentos utilizados e a habilidade do cirurgião, o procedimento não causa dor.

Também não é necessário anestesia ou sedação, basta um colírio anestésico para garantir o conforto do paciente para a realização da cirurgia.

Outro fator importante é que a cirurgia é rápida. O procedimento leva apenas alguns minutos, garantindo o conforto do paciente, em um procedimento completamente indolor.

Cirurgia de Catarata em Curitiba

Dr. Alexandre Grandinetti realizou mais de quatro mil cirurgias de catarata e retina nos últimos anos. Dr. Alexandre contribui ativamente no ensino da Oftalmologia aos Médicos Residentes do Hospital de Clínicas da UFPR e do Hospital de Olhos do Paraná.

Para o agendamento de consultas, entre em contato conosco.

Telefone: (41) 3310-4284

Endereço: Rua Coronel Dulcídio, 199 – Batel – Curitiba PR

cirurgia de catarata refrativa

Cirurgia de Catarata Refrativa

A catarata é uma doença que atinge pessoas com mais de 55 anos de idade. A doença provoca a opacidade do cristalino do olho, tornando a visão turva (embaçada), prejudicando a pessoa nas atividades diárias como ler, caminhar, dirigir, etc.

No Brasil estima-se que 500 mil pessoas são diagnosticadas anualmente com catarata e o número de casos tendem a aumentar, devido ao aumento da expectativa de vida das pessoas.

O único tratamento para a catarata é a cirurgia, na qual o cristalino do olho afetado pela catarata é removido e substituído por uma lente intraocular, com isso a catarata é totalmente curada.

O Dr. Alexandre Grandinetti explica que a cirurgia de catarata também pode corrigir os chamados erros refrativos (miopia, astigmatismo, hipermetropia e presbiopia), esse último conhecido como vista cansada, o uso das lentes intraoculares permite a correção do grau do olho e a independência dos óculos.

Depois da cirurgia o paciente poderá ter uma visão ainda melhor, pois com o uso de lentes modernas e de última geração a visão pode ficar mais nítida e colorida.

tratamento para DMRI em curitiba

Dr. Alexandre Grandinetti fala sobre DMRI, seus sintomas, causas e tratamentos

Dr. Alexandre o que seria a DMRI?

A Degeneração Macular Relacionada à Idade é uma doença que atinge a população idosa, geralmente pessoas com idade acima de 60 anos apresentam a doença. Ela atinge a mácula, uma região muito importante do olho que responde pela visão central, detalhes e pelas cores. Existem dois tipos de DMRI. A DMRI úmida e seca. A maior prevalência dos casos é a da DMRI seca, que consiste no acúmulo de proteínas e gorduras, chamadas de drusas, na região da mácula. Essas substancias com o tempo causam degeneração da mácula, podendo evoluir até a perda da visão central. Já a DMRI úmida é caracterizada pelo crescimento de vasos sanguíneos anormais na região da mácula. São denominados de neovasos e sua formação descontrolada atinge a mácula e pode causar micro hemorragias e evoluir até a perda total da visão. O número de casos de DMRI úmida corresponde a 10% do total de casos, porém é muito mais agressivo do que a DMRI seca. como é a visão com dmri

E Dr. Alexandre Existem tratamentos para a DMRI?

Para a DMRI seca não existem tratamentos nem cura para a doença. Sua progressão é lenta e a tendência é o paciente perder a visão central. Atualmente algumas linhas de pesquisas estão testando algumas possibilidades, mais ainda nada conclusivo. Já para a DMRI úmida o tratamento é a aplicação de medicamento diretamente na mácula. Esses medicamentos são chamados de ANTI-VEGF. Este tipo de medicação impede o crescimento dos neovasos, interrompendo o avanço da doença. Por ser uma doença degenerativa, ela não tem cura, mas os resultados da aplicação da injeção são excelentes, porque além de interromper o progresso da DMRI, em muitos casos a visão do paciente melhora.

Quais os sintomas da DMRI?

Um dos grandes problemas da doença é que durante algum tempo os sintomas não são percebidos. Quando os primeiros sintomas aparecem como visão distorcida ou mancha na visão central, a doença pode estar em estágio avançado. Por isso que é muito importante visitar regularmente o oftalmologista e realizar o exame de mapeamento de retina, que permite diagnosticar não só a DMRI como outras doenças da retina.

O que causa a DMRI (Degeneração Macular Relacionada a Idade)?

Não existe uma causa especifica. A principal característica é que a DMRI atinge pessoas com mais de 60 anos de idade. O fator genético também tem se mostrado importante, o histórico familiar é uma das avaliações para o diagnóstico. A obesidade, hipertensão, diabetes, colesterol elevado e o tabagismo também aumentam as chances de manifestar a DMRI.

Como prevenir a DMRI?

As doenças degenerativas são difíceis de prevenir, sobretudo quando tem relação genética. Porém uma vida saudável, com hábitos alimentares corretos e pratica de atividades físicas auxiliam na prevenção não só da DMRI mas de centenas de outras doenças. Com o aumento da expectativa de vida, temos notado que os pacientes que primam por uma vida mais saudável tem chances menores de desenvolver doenças e mesmo quando desenvolvem, o tratamento é muito mais rápido e eficiente. Por exemplo: pacientes que fumam tem o sistema imunológico menos eficiente, o que interfere no resultado dos tratamentos. Por isso a recomendação para uma vida saudável vai além de um corpo bonito. O objetivo é viver o maior tempo possível com ótima qualidade de vida, desfrutando todas as vezes da vida em sua plenitude.

Sobre Dr. Alexandre Grandinetti

oftalmologista de dmri alexandre grandinetti
Dr. Alexandre Grandinetti

CRM 19607

  • Médico pela UFPR com Estágio Eletivo em Oftalmologia na University of Southern Califórnia / Los Angeles;
  • Residência Médica em Oftalmologia no HC/UFPR;
  • Fellowship em Retina e Vítreo no Hospital de Olhos do Paraná;
  • Observership em Retina e Vítreo no Doheny Eye Institute / University of Southern California em Los Angeles;
  • Mestrado em Clinica Cirúrgica pela UFPR;
  • Doutorado em Clinica Cirúrgica pela UFPR;
  • Membro do Corpo Clínico do Hospital de Olhos do Paraná;
  • Membro da Associação Paranaense de Oftalmologia;
  • Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia;
  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo;

SAIBA MAIS

vitrectomia em curitiba

Vitrectomia Curitiba – Retina e Vítreo

vitrectomia é um procedimento cirúrgico que visa a remoção do humor vítreo presente no olho, e é indicada para diversas doenças de retina e vítreo. Entre as doenças tratadas pela vitrectomia destacam-se:

  • Descolamento de retina
  • Complicações da retinopatia diabética
  • Complicações de cirurgia de catarata
  • Membrana epiretiniana
  • Buraco Macular
  • Hemorragia vítrea

Para que você compreenda melhor, o vítreo é uma substância presente no olho com aspecto gelatinoso. De cor transparente, o vítreo preenche a maior parte do interior do globo ocular. Já a retina está localizada na parte interna do olho. A função de retina é a captação de imagens e transmissão das mesmas para o cérebro. As imagens são transportadas através do nervo óptico.

Como é a cirurgia de Vitrectomia?

vitrectomia é feita com a ponteira de vitrectomia– um instrumento cirúrgico que tem a finalidade de remover o vítreo do olho. O procedimento é indolor, bastante rápido e muito seguro. Podendo ser realizada com anestesia geral ou local. A grande maioria das cirurgias de Vitrectomia são feitas apenas sob anestesia local, não causando desconforto aos pacientes.

Também não há necessidade de internação do paciente para realizar a cirurgia. O procedimento cirúrgico é rápido e o paciente poderá ir para casa acompanhado de familiares após o procedimento, sendo necessário o retorno no dia seguinte nova avaliação.

Após a cirurgia ficarei sem gel vítreo no olho?

Esta é uma pergunta muito comum dos pacientes do nosso consultório. Na verdade, o humor vítreo será substituído por uma solução denominada BSS, a qual  apresenta características fisiológicas do humor vítreo.

Vitrectomia de pequeno calibre

Vitrectomia  sem pontos: A vitrectomia via pars plana é o tipo de vitrectomia que visa remover uma parte ou todo o humor vítreo, através de incisões de 0,5mm também denominadas 25 gauge. Neste procedimento não é necessária a realização de sutura no olho após o procedimento.

Pós-operatório de Vitrectomia

No pós-operatório o oftalmologista irá indicar colírios com efeito antibiótico e anti-inflamatório, que deverão ser administrados durante em média duas semanas.

Cirurgia de Vitrectomia em Curitiba

As cirurgias de Vitrectomia são realizadas pelo Dr. Alexandre Grandinetti e por uma equipe qualificada e experiente com cirurgias de Vitrectomia. As cirurgias são realizadas no Hospital de Olhos do Paraná, o qual apresenta tecnologias de última geração e que são necessárias para realização do procedimento.

Também contamos com os equipamentos para a realização de diversos exames que podem ser complementares para a realização da cirurgia de Vitrectomia.

Para saber mais, entre em contato conosco pelos telefones:

Telefone: (41) 3310-4284
Telefone: (41) 3310 4240

contato@alexandregrandinetti.com.br

Rua Coronel Dulcídio, 199
Batel – Curitiba – Paraná | Cep. 80.420-170

 

descolamento de retina curitiba

Descolamento da retina afeta o ator Wagner Moura, entenda mais o que é

Em 2014 o ator Wagner Moura, famoso por personagens como Capitão Nascimento e mais recentemente pela séria Narcos, realizou uma cirurgia de emergência para tratar um descolamento de retina, mais recentemente o ator fez uma cirurgia de Catarata.

Primeiro é importante explicar o que é a Retina, o Dr. Alexandre Grandinetti (CRM 19607), explica que a retina fica localizada no fundo olho e é composta por células fotossensíveis que captam a luz e transformam em sinais elétricos que serão enviados para o cérebro através do nervo óptico, e posteriormente a informação será decodificada e a imagem formada.

Portanto a retina é a parte responsável pela visão, um tecido muito vascularizado com uma função muito complexa.

O descolamento de retina é quando o tecido da retina se desloca do olho e fica “solto”, como o olho é preenchido por um liquido chamado humor vítreo a retina não se solta totalmente, e pode ser recolocada no lugar, porém isso depende da gravidade do descolamento e por quanto tempo o paciente ficou sem atendimento especializado, nesses casos é muito importante um atendimento emergencial eficaz, que faça o diagnóstico e o tratamento de forma imediata.

descolamento de retina curitiba

 

Os sintomas do descolamento de retina:

• Flashes de luz
• Parte da visão totalmente escura
• Visão totalmente escura subitamente
• Manchas na visão
• Manchas flutuantes na visão
• Moscas volantes
• Sombra na visão

O tratamento do descolamento de retina é cirúrgico, é necessário uma intervenção para recolocar a retina no lugar, geralmente o procedimento realizado se chama vitrectomia, outro procedimento que pode ser utilizado é retinopexia.

descolamento de retina curitiba

Resultado da cirurgia

O resultado da cirurgia depende da gravidade do descolamento, do tempo que demorou para o procedimento ser realizado, da idade do paciente, da saúde do paciente, entre outros fatores. Por isso não é possível precisar o resultado da cirurgia, em muitos casos a visão pode não ser afetada, mas em outros casos pode-se perder parcial ou totalmente a visão. Por isso a recomendação é o paciente buscar o mais rápido possível atendimento por oftalmologista especializado em retina, conhecido também com o retinólogo.

retinopatia diabetica causa cegueira

Retinopatia diabética – Um risco silencioso aos olhos de quem tem diabetes e que pode levar à cegueira

Retinopatia diabética é maior causa de cegueira no Mundo em pessoas jovens

Muitas pessoas não sabem mas a diabetes quando não controlada pode afetar a visão e causar cegueira irreversível. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) a Retinopatia Diabética é a maior causa de cegueira em pessoas em idade produtiva.

Dados do Ministério da Saúde indicam que existem 13 milhões de brasileiros com Diabetes tipo 1 e 2. Deste universo estima-se que 90% dos pacientes com tipo 1 e 60% dos pacientes com tipo 2 podem desenvolver a RETINOPATIA DIABÉTICA que prejudicará a visão se não for devidamente tratada.

Ao contrário do que muitos pensam a RETINOPATIA DIABÉTICA não é uma doença ligada a IDADE, adolescentes e jovens adultos podem desenvolver a doença, caso tenham um mal controle da diabetes.

A RETINOPATIA DIABÉTICA atinge a visão devido ao acumulo de resíduos dentro dos vasos sanguíneos do fundo do olho, que pode entupir ou enfraquecer os vasos sanguíneos que irrigam a retina, ocasionando danos irreversíveis ao fundo do olho.

Leita também:

O que é a retinopatia diabética

A retina é uma parte muito importante da visão pois é nessa região que a luz é transformada em impulsos elétricos e levada para o cérebro decodificar, a retina fica no fundo do olho e é composta por milhares de células fotossensíveis. O excesso de açúcar por um longo período deteriora os valos sanguíneos da retina, que possibilita o vazamento de sangue e fluido para dentro da retina, o chamado EDEMA MACULAR. Como consequência, o paciente com RETINOPATIA DIABÉTICA pode sentir que a visão está embaçada e essa condição pode piorar até a perda parcial ou total da visão.

A doença é chamada de silenciosa porque seu progresso é lento e assintomático, quando surgem os primeiros sintomas a doença já está em estágio avançado. Por isso o paciente diabético precisa realizar acompanhamento com seu oftalmologista regularmente, realizando exames de fundo de olho, para saber se a saúde ocular está regular. O controle da diabetes é a principal forma de prevenir a RETINOPATIA DIABÉTICA.